Páginas

domingo, 19 de dezembro de 2010

Janelas da Alma


"Palavras não descrevem os olhos, as bocas, os braços e abraços, nem a alegria até então desconhecida, surgida de um (re) encontro. Pra quem, há dias atrás, refletia tanto as obras do acaso, hoje compreende que realmente, o acaso não passa de um simples nada, e acredita em algo bem maior que isso. Que levará à um próximo reencontro, sem sombra de dúvidas. Mas até lá, todas as músicas cantadas estarão na mente, todos os sorrisos que ainda não acreditavam no que estava acontecendo, todos os olhares que transpareciam toda a magia do momento." (Caio Fernando Abreu)

"Nós não temos, por exemplo, os olhos como tem a águia, ou o falcão, nós vivemos dentro de uma possibilidade de ver que é nossa, que nem ver supondo que os nossos olhos são olhos sãos, normais, que nem ver nem de menos, nem de mais, e para tornar isso claro, eu digo que se o Romeu, da estória, tivesse os olhos de um Falcão, provavelmente não se apaixonaria por Julieta. Porque os olhos dele veriam uma pele que provavelmente não seria agradável de ver, porque é a qualidade visual do falcão, cujos olhos não mostrariam a pele humana tal como nós a vemos." (José Saramago)

"Trago no olhar visões extraordinárias, De coisas que abracei de olhos fechados..." (Florbela Espanca)

"Há mais perigo em teus olhos do que em vinte espadas!" (William Shakespeare)

"O meu olhar é nitido como um girrassol
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando pra direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança, se ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo..."
(Alberto Caeiro) 

"Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando."
(Pablo Neruda)

PS: "Esse seu olhar/ Quando encontra o meu/ Fala de umas coisas/ Que eu não posso acreditar [...] Ah, se eu pudesse entender/ O que dizem os seus olhos" (Esse seu olhar, Tom Jobim).




Um comentário:

  1. Você esteve no meu espaço então vim retribuir o carinho e desejar um ótimo Natal
    e um ano novo maravilho, repleto de ótimas postagens para nosso deleite
    bjim

    ResponderExcluir